Recobrar a Esperança

Recobrar a Esperança

Sonhar novamente, avançar com fé, acreditar no futuro, enfim, viver. Simplesmente, retomar o destino natural do povo, hoje mergulhado num turbilhão de modismos e ao influxo de sugestões alienantes, que pretendem converter a criatura em autômato, desviando-a do plano do Criador.

O diabólico projeto de “desconstrução da sociedade burguesa” vige e age sem rebuço, alimentado pelos recursos das próprias vítimas. Se algo, efetivamente, funciona no contexto político atual é o PNDH-3, pano de fundo de decisões de toda ordem que nos são impingidas, tornando artificial a nossa vida.

Para ele, o amor à família, o respeito herdado, o altruísmo e a honestidade consciente são valores que precisam ser varridos, juntamente com as instituições que os promovem.

O resultado dessa campanha nefanda reflete-se nos noticiários policiais e nos escândalos que fascinam a mídia. Nisso, superamos até mesmo as baixas da Síria e do Afeganistão. São 60 mil homicídios/ano.

A falta de administração pública é inversamente proporcional ao número de ministérios e servidores. São ao todo 39, com 22.700 cargos DAS, que permanecem intocados, pois decidido está que cabe ao povo, não ao governo, apertar o cinto e pagar mais impostos para salvar a economia.

Mesmo assim, a inflação cresce e a economia definha. Progresso mesmo, só o das taxas de juros e do dólar, já que a prioridade é sobreviver. E a confiança? Necessidade humana que se esvai, em evocações do “petrolão” e da incompetência.

Se este é o cenário que suportamos, e se é verdade que a soberania pertence ao povo, justo e perfeito é aplicá-la o quanto antes, para mudar o destino coletivo, preservando os bens que ainda existem.

O Brasil não merece o tratamento que recebe. O sentimento dos brasileiros precisa voltar ao natural, ao “homem cordial” de Sérgio Buarque de Holanda, à alegria espontânea que sempre foi nossa, livre da hipocrisia do “politicamente correto”.

A compreensão é simples, mas a solução não é. E não há alternativa. Lutar é preciso, para que a vitória nos devolva a esperança, a fé no futuro e a alegria de bem viver.

Que nos anime a inspiração do grande Gonçalves Dias, na certeza de que: “A vida é combate, que aos fracos abate; e aos fortes, aos bravos, só pode exaltar”.

(Originalmente publicado em 15 de março de 2015)